Archive for the ‘Internet’ Category

h1

IBM patenteia TV que “twitta” o que seu dono está assistindo

setembro 1, 2009

ibmDo Triangle Business Journal – Essa é para aqueles que ainda dizem que não falta mais nada para ser inventado.

De acordo com o Triangle Business Journal, a IBM registrou a patente de um televisor capaz de “blogar” ou “twittar” mensagens na web informando o programa televisivo que seu dono assiste no momento.

Os usuários poderiam personalizar as mensagens postadas e até mesmo permitir que o blog mostre um “snapshot” da tela da TV.

Pensou que era brincadeira? Acesse aqui e veja o registro de patentes.

 

Anúncios
h1

Mande suas preces para o Muro das Lamentações via Twitter

agosto 21, 2009

Há séculos os judeus mantém a tradição de deixar pequenos bilhetes com preces entre as rochas do Muro das Lamentações. 

Para deixar sua prece no célebre muro, o fiel precisaria viajar até Jerusalém ou então mandar um bilhete para que outra pessoa o depositasse. Agora, tudo isso mudou: o estudante de economia israelense Alon Nil, israelense e morador de Tel Aviv, criou uma interessante forma de contornar este velho problema judaico. 

De acordo com a Associated Press (AP), o rapaz (que mora em Tel Aviv) recebe as preces através de seu feed no Twitter (“@TheKotel”), as imprime e periodicamente as leva até o muro. “Não estou conseguindo manter o serviço sozinho, mas estou determinado a não perder nenhuma oração”, disse ele à equipe de reportagem da AP. 

O usuário interessado em utilizar este serviço deverá se tornar “seguidor” de Alon Nil no Twitter. O rapaz (que está literalmente atolado pela imensa quantidade de “tweets”) pode demorar alguns dias para responder, mas também se tornará “seguidor” do usuário. Quando isso ocorrer, basta começar a mandar as preces para @TheKotel. 

h1

Google divulga preview do “Caffeine”, seu novo sistema de busca

agosto 12, 2009

Nos últimos meses os engenheiros do Google estiveram ocupados com o desenvolvimento de uma nova arquitetura de buscas. O resultado se chama “Caffeine”, e a primeira impressão que se tem é a de que nada mudou, com a exceção da velocidade: o novo sistema parece ser mais ágil ao indexar os resultados que o atual motor de busca.

GoogleA disposição dos resultados difere pouco da que é apresentada pela versão “normal” do buscador, sem grandes alterações. De acordo com o Blog do Google, os únicos que sentirão as diferenças serão os programadores e pesquisadores profissionais.

Segundo a empresa, “a nova infra-estrutura está ‘sob o capuz’ do motor de busca do Google, o que significa que a maior parte dos usuários não vai notar diferenças nos resultados. Todavia, web developers e pesquisadores poderão notar algumas pequenas mudanças, então abrimos um preview para obter o feedback dessas pessoas”.

O Caffeine pode ser testado em http://www2.sandbox.google.com/.

h1

Banco do Brasil: 100 mil PCs com Firefox

agosto 4, 2009

IE8 seria mais "seguro, confiável e estável" que seus concorrentes

Em 2005, o Banco do Brasil iniciou o processo de migração para o Linux. Hoje, nas mais de quatro mil agências espalhadas pelo Brasil, cerca de 65 mil equipamentos rodam Linux e BrOffice.org.

Agora, são mais de 100 mil máquinas com o Firefox instalado, segundo dados de maio de 2009 fornecidos pela diretoria de Tecnologia do banco.

A opção pelo Firefox foi lógica: como ainda existem muitas máquinas rodando Windows, tornou-se necessário o uso do browser da Mozilla — que tem versões para as duas plataformas — para que os sistemas baseados na Web corressem sem problemas de compatibilidade.

h1

Novo sistema pode revolucionar o combate ao SPAM

julho 30, 2009

SPAM, o legítimo

SPAM, o legítimo

Do Technology Review – Pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Georgia (EUA) desenvolveram um sistema capaz de barrar mensagens indesejadas antes que as mesmas atinjam os servidores de e-mail. Batizado como SNARE (sigla para “Spatio-temporal Network-level Automatic Reputation Engine“), o sistema é capaz de identificar as mensagens indesejadas a partir da análise de um único pacote de dados.

Os pesquisadores isolaram uma série de características marcantes que diferenciam o SPAM dos e-mails “normais”. Por exemplo, a pesquisa revela que as mensagens indesejadas costumam vir de “bots”  com todas as portas de comunicação fechadas, exceto a porta SMTP (responsável pelo envio de e-mail).

Outra característica interessante: a distância física entre emitente e destinatário também pode sinalizar se uma mensagem é indesejada ou não. Segundo a pesquisa, boa parte do SPAM que trafega pela Internet chega aos destinatários após uma longa viagem — por exemplo, um spammer na China pode disparar mensagens para e-mails de todo o mundo.

Essas e outras características poderão ser utilizadas pelo SNARE (cuja sigla em inglês também quer dizer “armadilha”) para detectar e barrar o SPAM sem a necessidade de intervenção humana, uma inovação que num futuro breve poderá reduzir drasticamente o peso de nossas caixas postais.

h1

Como seria o site da Apple em 1983

julho 17, 2009

Da MacMagazine – O blog Newton Poetry (dedicado ao Apple Newton, precursor dos atuais PDAs) publicou uma imagem de como seria o site da Apple no ano de 1983.

Dave Lawrence, criador da montagem, diz: “Com algumas fotos aleatórias de produtos e um pouco de Photoshop, criei esta ilustração para simular a aparência do site. Não é algo muito exato, é claro, pois eu tomei certas licenças artísticas tanto no protótipo do iPhone quanto no fato de supostamente existir algum tipo de world wide web durante a administração Reagan.”

Confira a imagem abaixo (clique na imagem para visitar o Flickr do autor):

Apple.com, 1983

h1

Chrome OS: o que vem por aí

julho 15, 2009

Cerca de nove meses após o lançamento do browser Chrome, o Google volta a surpreender. De maneira totalmente inesperada, foi anunciado no último dia 7 o desenvolvimento de um sistema operacional singelamente batizado como ”Google Chrome Operating System” (ou simplesmente ”Chrome OS”).

Google ChromeO novo SO será baseado no kernel do Linux e está prometido para o segundo semestre de 2010. O Google mira primariamente no mercado de netbooks, mas não descarta o uso do Chrome em PCs desktop: o sistema deverá rodar bem tanto em chips de arquitetura ARM (utilizados nos portáteis) quanto nos “velhacos” processadores baseados na x86.

Sundar Pichai e Linus Upson, autores do anúncio, prometeram um sistema estável, rápido e livre de vírus e malwares: “Essa é a nossa tentativa de repensar o que os sistemas operacionais devem ser“.

 Como será o Chrome OS – A esta altura do campeonato, dizer como será este novo sistema operacional é um verdadeiro exercício de futurologia. Todavia, as poucas informações divulgadas até o momento apontam para um sistema baseado primariamente em aplicações Web.

Tudo indica que a espinha dorsal do Chrome OS será o atual navegador Google Chrome. O “motor” do browser deverá rodar sobre um window manager ainda desconhecido (provavelmente desenvolvido pelo Google) “montado” sobre um kernel Linux com “adaptações”. A interface promete ser minimalista, com boa parte do espaço da tela reservado para os aplicativos.

O novo sistema levará às últimas consequências o conceito de “cloud computing”: os principais programas do Chrome OS estarão na “nuvem”, assim como os arquivos dos usuários. O Google Apps — que recentemente deixou de ser rotulado como “beta” — poderá ser utilizado como suite de aplicativos primária pelos usuários do Chrome OS. As informações gravadas pelos usuários ficarão então “hospedadas” nos servidores do Google.

Mas… será que esse modelo “pega”? Pichai e Upson acreditam que sim. Para eles, os usuários comuns não querem saber de complicação: “Eles querem ter acesso a seus dados em qualquer lugar, sem ter que se preocupar com a possível perda do computador ou com backups de arquivos. E, mais importante de tudo, eles não querem passar horas a configurar suas máquinas”.

Deste modo, os desenvolvedores de software que desejarem investir no Chrome OS deverão aplicar seus esforços na produção de aplicações baseadas no modelo web. Entretanto, como o Chrome será um SO baseado no Linux, não é totalmente descartada a idéia de se “portar” para ele aplicações nativas do pinguim, que poderiam rodar “offline”.

Briga de Cachorros Grandes – Ao perceber a ameaça, a Microsoft já esboça algumas reações. Mesmo antes do anúncio do Chrome OS o pessoal de Redmond já tinha a meta de fazer do Windows 7 um sistema operacional bem mais “netbook friendly”. Agora tudo indica que a Microsoft quer mesmo é “matar no ninho” a iniciativa do Google.

Primeiramente, foi anunciado o desenvolvimento do “Microsoft Gazelle”, um browser “com características de sistema operacional” que poderá substituir o Internet Explorer em um futuro indeterminado. O Gazelle será capaz de gerenciar os recursos da Web de forma independente ao Windows, e poderá lidar de forma isolada com o que roda em cada uma de suas abas. O curioso é que esta é um das características principais do navegador Google Chrome — seria por acaso?

Outro movimento suspeito: a Microsoft anunciou que o Office 2010 terá uma versão gratuita online para usuários que tenham contas no Windows Live. Esta é uma tentativa direta de competir com o Google Apps através da exploração intensiva da marca “Microsoft Office” que — bem ou mal — é para a maior parte dos usuários um sinônimo de suite de produtividade.

Enquanto a Microsoft se descabela, o pessoal da Canonical (empresa que desenvolve o Ubuntu Linux) aparenta estar bem tranquilo e seguro de si. “O sucesso do Chrome não é garantido só porque o Google fez o anúncio”, diz Gerry Carr, gerente de marketing da empresa.

Fadado ao Fracasso?Agora, a grande polêmica: haveria real segurança e privacidade em um sistema operacional onde o grosso das informações pessoais dos usuários ficarão armazenadas em algum lugar na rede mundial? Nas palavras a jornalista Melissa Perenson (PC World/EUA), “é difícil imaginar alguém que queira colocar todas as suas informações na nuvem”.

Já o jornalista Eric Savitz (The Wall Street Journal) acredita que o Google Chrome Operating System está fadado a um retumbante fracasso. Segundo ele, o Google ainda não captou a real essência do que as pessoas realmente desejam dos netbooks: “Netbook não é um nome apropriado: embora as pessoas o usem para conectar-se à Internet, elas o usam também para muitas outras coisas. O usuário quer usar o netbook também para rodar software comum”.