Posts Tagged ‘Microsoft’

h1

Microsoft é proibida de comercializar o Word nos EUA

agosto 13, 2009

Microsoft WordDo Technologizer – Em decisão polêmica, o juiz Leonard Davis (Corte dos EUA, distrito leste do Texas) promulgou uma ordem formal que proibe a Microsoft de comercializar qualquer produto capaz de abrir e editar arquivos XML customizados.

A proibição atingiu em cheio o software Microsoft Word, um dos carros chefes da empresa e parte do popular pacote de aplicativos Microsoft Office.

O processo que motivou esta ordem judicial foi impetrado pela empresa canadense i4i Inc, com sede em Toronto, sob a acusação de violação de patentes. A Microsoft terá 60 dias para retirar o “Word” do mercado, e ainda poderá pagar uma indenização no valor de 277 milhões de dólares.

É claro, os advogados da Microsoft trabalham furiosamente em uma defesa eficaz.

h1

Microsoft libera código de drivers sob a GPL

julho 24, 2009

Em uma atitude inédita, a  Microsoft liberou à comunidade Open Source cerca de vinte mil linhas de código referentes à implementação de drivers. O objetivo da empresa é permitir que sistemas Linux rodem sob o Hyper-V, um software de virtualização que é parte do Windows Server 2008.

Server 2008Em declaração para o site da “ex-revista” Geek, Peter Galli (gerente sênior de comunicação na equipe de plataformas da Microsoft) diz que a iniciativa “reforça o compromisso da Microsoft com a interoperabilidade e padrões abertos, de forma a ajudar seus clientes e parceiros em todo o mundo a serem bem-sucedidos em um mundo de tecnologia heterogênea”.

Ainda segundo o site da Geek, a Microsoft entrou para o rol das empresas que contribuem com o kernel do Linux, figurando entre nomes como Red Hat, Intel, Novell, IBM e Oracle.

Fontes fidedignas informam que o Inferno ainda não congelou.

h1

Steve Ballmer ironiza Chrome OS em evento

julho 16, 2009
Ballmer: "Chrome OS? O que é isso?"

Ballmer: "Chrome OS?"

Do Taranfx “Chrome OS? O que é isso?” Foi com estas palavras que Steve Ballmer (atual CEO da Microsoft) comentou o posicionamento de sua empresa quanto ao anúncio do novo SO a ser produzido pelo Google.

O comentário foi pronunciado durante a Worldwide Partner Conference realizada em New Orleans, diante de uma platéia cheia.

“Eu serei… qual é a palavra certa? Eu serei respeitoso. Para mim esse negócio de ‘Chrome OS’ é muito interessante. Eles não terão nada por um ano e meio, e já anunciaram um outro sistema operacional.” — declarou o executivo, referindo-se ao Android (SO para smartphones também em produção pelo Google).

Ballmer é conhecido por seus comentários sarcásticos em relação aos concorrentes. Em 2007, o executivo ficou célebre ao comentar que o Iphone seria apenas “o celular mais caro do mercado”, e que ninguém estaria disposto a pagar por ele.

h1

Chrome OS: o que vem por aí

julho 15, 2009

Cerca de nove meses após o lançamento do browser Chrome, o Google volta a surpreender. De maneira totalmente inesperada, foi anunciado no último dia 7 o desenvolvimento de um sistema operacional singelamente batizado como ”Google Chrome Operating System” (ou simplesmente ”Chrome OS”).

Google ChromeO novo SO será baseado no kernel do Linux e está prometido para o segundo semestre de 2010. O Google mira primariamente no mercado de netbooks, mas não descarta o uso do Chrome em PCs desktop: o sistema deverá rodar bem tanto em chips de arquitetura ARM (utilizados nos portáteis) quanto nos “velhacos” processadores baseados na x86.

Sundar Pichai e Linus Upson, autores do anúncio, prometeram um sistema estável, rápido e livre de vírus e malwares: “Essa é a nossa tentativa de repensar o que os sistemas operacionais devem ser“.

 Como será o Chrome OS – A esta altura do campeonato, dizer como será este novo sistema operacional é um verdadeiro exercício de futurologia. Todavia, as poucas informações divulgadas até o momento apontam para um sistema baseado primariamente em aplicações Web.

Tudo indica que a espinha dorsal do Chrome OS será o atual navegador Google Chrome. O “motor” do browser deverá rodar sobre um window manager ainda desconhecido (provavelmente desenvolvido pelo Google) “montado” sobre um kernel Linux com “adaptações”. A interface promete ser minimalista, com boa parte do espaço da tela reservado para os aplicativos.

O novo sistema levará às últimas consequências o conceito de “cloud computing”: os principais programas do Chrome OS estarão na “nuvem”, assim como os arquivos dos usuários. O Google Apps — que recentemente deixou de ser rotulado como “beta” — poderá ser utilizado como suite de aplicativos primária pelos usuários do Chrome OS. As informações gravadas pelos usuários ficarão então “hospedadas” nos servidores do Google.

Mas… será que esse modelo “pega”? Pichai e Upson acreditam que sim. Para eles, os usuários comuns não querem saber de complicação: “Eles querem ter acesso a seus dados em qualquer lugar, sem ter que se preocupar com a possível perda do computador ou com backups de arquivos. E, mais importante de tudo, eles não querem passar horas a configurar suas máquinas”.

Deste modo, os desenvolvedores de software que desejarem investir no Chrome OS deverão aplicar seus esforços na produção de aplicações baseadas no modelo web. Entretanto, como o Chrome será um SO baseado no Linux, não é totalmente descartada a idéia de se “portar” para ele aplicações nativas do pinguim, que poderiam rodar “offline”.

Briga de Cachorros Grandes – Ao perceber a ameaça, a Microsoft já esboça algumas reações. Mesmo antes do anúncio do Chrome OS o pessoal de Redmond já tinha a meta de fazer do Windows 7 um sistema operacional bem mais “netbook friendly”. Agora tudo indica que a Microsoft quer mesmo é “matar no ninho” a iniciativa do Google.

Primeiramente, foi anunciado o desenvolvimento do “Microsoft Gazelle”, um browser “com características de sistema operacional” que poderá substituir o Internet Explorer em um futuro indeterminado. O Gazelle será capaz de gerenciar os recursos da Web de forma independente ao Windows, e poderá lidar de forma isolada com o que roda em cada uma de suas abas. O curioso é que esta é um das características principais do navegador Google Chrome — seria por acaso?

Outro movimento suspeito: a Microsoft anunciou que o Office 2010 terá uma versão gratuita online para usuários que tenham contas no Windows Live. Esta é uma tentativa direta de competir com o Google Apps através da exploração intensiva da marca “Microsoft Office” que — bem ou mal — é para a maior parte dos usuários um sinônimo de suite de produtividade.

Enquanto a Microsoft se descabela, o pessoal da Canonical (empresa que desenvolve o Ubuntu Linux) aparenta estar bem tranquilo e seguro de si. “O sucesso do Chrome não é garantido só porque o Google fez o anúncio”, diz Gerry Carr, gerente de marketing da empresa.

Fadado ao Fracasso?Agora, a grande polêmica: haveria real segurança e privacidade em um sistema operacional onde o grosso das informações pessoais dos usuários ficarão armazenadas em algum lugar na rede mundial? Nas palavras a jornalista Melissa Perenson (PC World/EUA), “é difícil imaginar alguém que queira colocar todas as suas informações na nuvem”.

Já o jornalista Eric Savitz (The Wall Street Journal) acredita que o Google Chrome Operating System está fadado a um retumbante fracasso. Segundo ele, o Google ainda não captou a real essência do que as pessoas realmente desejam dos netbooks: “Netbook não é um nome apropriado: embora as pessoas o usem para conectar-se à Internet, elas o usam também para muitas outras coisas. O usuário quer usar o netbook também para rodar software comum”.

h1

Office 2010 vaza para sites piratas

julho 13, 2009

Office 2010A décima quarta versão do pacote Office nem foi lançada oficialmente e a Microsoft já está às voltas com a pirataria.

A cerimônia de lançamento da suite está prevista para hoje (13/07), durante o Worldwide Partner Conference (WPC) na cidade de New Orleans. Neste evento algumas (poucas) cópias do pacote serão distribuídas para um seleto grupo de convidados.

Enquanto isso não acontece, diversos sites de compartilhamento de arquivos já distribuem o software: o Office  2010 se tornou o download mais popular deste fim de semana no Mininova. O produto final deverá chegar às lojas no primeiro semestre do ano que vem

De acordo com o Computerworld, o Office 2010 já vazou anteriormente em maio, uma semana antes do anúncio oficial de uma versão preliminar.

h1

Microsoft Research trabalha em substituto para o Internet Explorer

julho 10, 2009

De forma a reconquistar o terreno perdido para os browsers Firefox e Google Chrome, a Microsoft anunciou o desenvolvimento do “Gazelle”, um navegador que deve trazer diversas inovações nos quesitos de segurança e terá “características próximas às de um sistema operacional”.

Navegar com uma Gazela? (Imagem: Gizmodo)

Navegar com uma Gazela? (Imagem: Gizmodo)

Segundo paper publicado no site da Microsoft Research, “os browsers se originaram como aplicações nas quais os usuários folheavam sites estáticos, porém sequencialmente. Como a web evoluiu de modo a rodar aplicações dinâmicas compostas por conteúdos de diversos websites, os navegadores se tornaram ambientes operacionais multi-principais com recursos compartilhados”.

Dentro dessa filosofia, o novo browser poderá gerenciar os recursos da Web de forma independente ao sistema operacional, e deverá ser capaz de lidar isoladamente com o que roda em cada uma de suas abas (uma das características principais do Google Chrome).

Não se sabe quando as primeiras versões do Gazelle estarão disponíveis para download, mas muitos usuários brasileiros já esperam que o nome seja mudado.

E você, vai querer “navegar com uma Gazela”?

h1

Bill Gates patenteia método de controle climático: adeus aos furacões?

julho 10, 2009

Do Tecflash – Ele é um dos homens mais ricos do mundo, e ajudou a deslanchar a revolução tecnológica que culminou na cultura de informação hoje existente. Odiado por alguns e invejado por muitos, William (Bill) Gates III agora quer controlar o clima do planeta.

Bill Gates:

Bill Gates: Adeus aos Furacões?

Em um processo de patente datado de 2008 mas anunciado somente ontem (09/07/09), o ex-executivo da Microsoft está listado como um dos inventores de um processo que poderá acabar com furacões e tempestades tropicais.

O projeto prevê o uso de uma frota de navios equipada de modo a misturar a água quente da superfície do oceano com a água fria encontrada sob grandes profundidades. Ao diminuir a temperatura da superfície, os inventores pretendem eliminar a condensação das águas quentes, grande responsável pelas tempestades.

O texto do registro de patentes prevê  que os governos das áreas normalmente atingidas por furacões poderão cobrar taxas de “segurança” de modo a manter o projeto em atividade.